Mekal Evolução do Inox

O ac?o e? sino?nimo de forc?a, onde quer que ele esteja. Na mu?sica “Nervos de Ac?o”, cla?ssico de Lupici?nio Rodrigues; no apelido do ex-craque da selec?a?o de 58 e 62, Vava?, o “Peito de Ac?o”; na refere?ncia ao Super- Homem, o hero?i dos hero?is, o “Homem de Ac?o”. O ac?o e? tambe?m sufixo que determina grandeza: golac?o, projetac?o, apartamentac?o. E abrac?ac?o, como no disco de Caetano. O ac?o e? sempre mais.

Essa liga meta?lica composta essencialmente de ferro, desenvolvida na Inglaterra na metade do se?culo XIX, deu uma nova dimensa?o a? capacidade inventiva do homem, servindo de mate?ria-prima para muitas indu?strias de base e manufaturas.

A “versa?o” mais nota?vel do ac?o e? a que traz em sua composic?a?o o cromo e o ni?quel. Esses elementos anulam os efeitos corrosivos do oxige?nio, garantindo uma durabilidade que desafia o tempo. E? o ac?o inoxida?vel, ou ac?o inox, ou simplesmente inox, o ac?o que nunca enferruja, um material extremamente nobre.

Viver um dia comum em nossas vidas e? topar com o ac?o inox a todo instante. Ele esta? nos talheres das re- feic?o?es, na mac?aneta do carro, no foga?o do restaurante, na pia da cozinha, em pec?as de design e no mobilia?rio urbano. Na verdade, difi?cil e? apontar um ambiente onde esse material na?o esteja presente.

Suas vantagens sa?o muitas: durabilidade que atravessa gerac?o?es, facilidade de limpeza, flexibilidade, resiste?n- cia, beleza e sustentabilidade — estima-se que 70% do ac?o utilizado hoje pela indu?stria seja fruto de reciclagem.